Uma pantera

A máquina narrativa não quebrou nem morreu. Seu operador andou ocupado, mexendo no motor de um livro (Guadalupe), que agora tomou seu rumo, devolvendo ao operador aquela sensação adorável e ilusória de liberdade. Ahhh. Vai durar uns cinco minutos, mais ou menos. No que promete ser um final de ano movimentado, temos outro livro para recalibrar, que deve sair mais ou menos junto com Guadalupe. Detalhes em breve e tal.

O operador sente falta do torpor de operar a máquina diretamente, gerando novas ficcções. Editar um livro é uma operação fria, clínica, a posteriori. Mas tem que ser feita, para que os livros existam. Enquanto isso, poucas ficções no horizonte imediato.

Essa saiu ontem, depois de uma que fiz sobre enviar meus originais, que me levou a outras associações, que ainda estão ecoando.

Posted in Uncategorized | Leave a comment

Epílogo

Se você chegou aqui agora, abaixo tem uma historinha, que foi sendo postada enquanto era construída e que começa láaa em baixo. Você pode se guiar pelos números dos Capiítulo anteriores, aqui à direita. E no menu do topo, algumas histórias curtas. Enjoy.

Posted in Uncategorized | Leave a comment

XVI

Posted in Uncategorized | Leave a comment

XV

Posted in Uncategorized | Leave a comment

XIV

Posted in Uncategorized | Leave a comment

XIII

(Onde retomamos os quadros que tinham sido excluídos para a inserção dos anteriores.)

Posted in Uncategorized | Leave a comment

XII

Posted in Uncategorized | Leave a comment